Larissa Santos presencia a explora??o espacial da China junto com o Brasil

Fonte: CRI Published: 2021-07-29 20:24:17
Share
Share this with Close
Messenger Messenger Pinterest LinkedIn

Cientista em cosmologia e professora universitária na China, uma trajetória acadêmica muito diferente da Larissa Santos. A jovem brasileira é licenciada em física pela Universidade de Brasília e possui dois doutorados, um pela Universidade de Roma e outro pela Universidade de Ciência e Tecnologia da China. Agora, dá aula para estudantes chineses na Universidade de Yangzhou, coordenando ainda uma equipe chinesa para participar do projeto brasileiro, o rádiotelescópio Bingo, que visa desvendar a origem do Universo.

Liderado pela Universidade de S?o Paulo e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil, o Bingo está instalado no Sert?o da Paraíba e consiste em dois espelhos gigantes para capturar a radia??o de 21 centímetros de hidrogênio neutro. O trabalho da Larissa e seus colegas chineses é separar os sinais cosmológicos dos outros sinais fortes da Galáxia.

Ao longo dos milênios, os seres humanos sempre olharam para o céu e pensaram em mitos para explicar o mistério dos corpos celestes. Para Larissa Santos, o encanto pela cosmologia vem mesmo desse contemplar e da curiosidade pelo desconhecido. Na China, ela participa de vários experimentos que tentam entender e aprender mais sobre o amplo Universo, inclusive do novo projeto que está sendo construído no Tibet, testemunhando assim os esfor?os chineses na busca para uma ciência de ponta.

“Os progressos s?o mais expressivos nas miss?es espaciais enviadas pela China”, comentou Larissa, citando especificamente as sondas para Marte e para a Lua, bem como o envio de três taikonautas para a própria esta??o espacial Tiangong. Obeservou que o programa espacial da China foi desenvolvido com alto avan?o tecnológico em um período muito curto, o que mais lhe impressionou.

Na vis?o de Larissa Santos, a ciência n?o deveria ter fronteiras. A experiência dela mesma é uma boa referência de colabora??o entre cientistas, que, apesar de nacionalidades diferentes, trabalham juntos em prol do avan?o de toda a humanidade. Já o que falta é mais for?a feminina nas pesquisas científicas. “As meninas possuem toda a competência e capacidade para seguir a carreira científica”, encorajou Larissa, e convidou as alunas interessadas na área a se juntarem na grande equipe de explora??o do Universo.

Share

Mais Populares

Galeria de Fotos

Alunos experimentam uma apresenta??o de marionetes de sombras
Casais posam para fotos de casamento em Rizhao
Mar de nuvens em Guizhou
Vovós praticam balé em um centro cultural na cidade de Zhengzhou
Anhui: Operários processam baterias de lítio na oficina
China Post lan?a selos comemorativos para Jogos Olímpicos de Tóquio

Notícias

Agora isso é uma roda!
Jovens europeus na China visitam a Vila Olímpica de Inverno de Yanqing
Politizar epidemias é uma tradi??o dos EUA
Rastreamento da origem do vírus n?o pode encobrir o fracasso dos EUA no controle da pandemia
Comentário: OMS deve respeitar a opini?o pública sobre investiga??o no laboratório de Fort Detrick
China lan?a iniciativa para jovens europeus no país conhecerem os locais das Olimpíadas de Inverno
三级视频在线